Marcadores

Qual é a função dos componentes de um computador?

Qual é a função desse componente? - Parte 1 - Memória

Iniciaremos uma série de artigos para te mostrar - em pouca linguagem técnica - qual a função de cada componente que há dentro do seu computador. Hoje iniciaremos pela memória RAM.
Muitos não sabem para que serve, mas ela tem uma importante função dentro de um computador. Memória RAM - Ela mantêm seu computador ligado e seus dados em dia. Será que mais memória RAM aumenta o desempenho de seu computador?
A palavra RAM é uma sigla, vinda do inglês,originalmente sendo Random Acesss Memory, significa basicamente Memória de Acesso Aleatório.
Pente de memória RAMA função básica da memória RAM é manter os programas que você usa no momento carregados para serem usados. Quando você liga o computador e entra no sistema operacional, alguns dados passam do disco rígido para a memória RAM, para serem usados naquele momento. Quando um programa é aberto, ele também é carregado na memória RAM. Por que isso ocorre? Por que os dados não são acessados diretamente do disco rígido? Isso porque a memória RAM é muito mais rápida para fazer leituras e escritas do que o disco rígido. E os dados gravados na RAM não podem ser guardados.
Vamos ilustrar, caso você ainda esteja em dúvidas. Quando você abre um documento no Word e começa a digitar, todo o conteúdo do texto está na memória RAM. Quando você escolhe um nome pra ele e salva, ele será guardado no disco rígido e continuará na memória RAM para que você continue editando o documento. Se você salva o texto e fecha o Word, o texto será gravado no disco rígido e sairá da memória RAM.
E porque quando eu desligo o computador sem salvar os dados, eu os perco? Por que a memória RAM serve apenas para guardar alguns dados do disco rígido. Ou seja, ela só funciona enquanto houver energia. A função de salvar dados fica por conta do disco rígido. A memória RAM não foi projetada para guardar dados, e sim para manter dados em uso durante o funcionamento do computador.
Cada programa usa uma quantidade de memória RAM. Por isso é importante que você fique de olho nos requisitos de sistema antes de instalar os programas. Programas mais antigos geralmente usam menos memória do que os mais novos. Isso porque os mais novos tem mais recursos, e eles precisam ser carregados na memória RAM.
A quantidade de memória RAM determina quantos aplicativos poderão ser abertos ao mesmo tempo. Suponha que você tenha 128 MB de RAM. Você poderá abrir dois programas de 64 MB, mas nunca poderá abrir três de 70 MB - até dá pra abrir, mas o sistema ficará uma carroça. Isso porque ele precisará usar seu disco rígido - já que a memória RAM está esgotada - e ai você saberá na prática porque ela existe.
Aumentar a quantidade de memória RAM dificilmente melhorará o desempenho do sistema. Em alguns casos, trocar o disco rígido ou processador tem mais efeito. Depende da aplicação. Se seu sistema operacional precisa de 256 MB e você tem 128 MB de memória RAM, aumentar essa memória para 512 MB melhorará e muito o desempenho.
Como saber quanta memória RAM eu tenho? Simples. Clique com o botão direito sobre Meu computador e escolha Propriedades. Sua quantidade de memória RAM será exibida.Janela de Propriedades do sistema
Vejam o destaque em vermelho. Essa é a quantidade de memória RAM instalada.
Mas, e quando meu computador mostra uma quantidade de memória menor do que eu tenho? Simples. Isso ocorre quando você não tem uma placa de vídeo dedicada instalada em seu sistema. Daí o sistema precisa usar parte da sua memória RAM como memória de vídeo.
Como fazer para aumentar a memória RAM? É altamente recomendável que você leve seu computador para um técnico. Converse com ele e diga quanta memória você gostaria de ter no seu computador. É que, além dos detalhes que escrevi, existem coisas que devem ser medidas por um técnico, como latência e largura de banda, por exemplo. Geralmente, as memórias RAM podem estar custando de R$ 50 a R$ 120.
As memórias RAM são importantes na vida de um computador.

Qual é a função desse componente? - Parte 2 - Disco rígido


Na segunda parte dessa série, irei mostrar qual a verdadeira utilidade do disco rígido. Fiquem atentos, pois ele é uma peça fundamental para a saúde de um computador.
Disco? Duro? Existem discos dentro do meu computador? Como eles funcionam? Na verdade, você tem mais de um disco rígido dentro do seu computador. Abaixo, explicarei como eles funcionam.
Disco rígido, HD (Nos EUA, HDD) ou Winchester - todos são nomes derivados de disco rígido. É a parte do computador onde os dados são armazenados. Exatamente, isso significa que suas imagens, fotos, vídeos, documentos e o próprio sistema operacional estão gravados no disco rígido.
Na primeira parte, aprendemos que a memória RAM só armazena dados enquanto o computador está ligado. Então, precisa-se de um lugar para gravar os dados, para que quando desligarmos o computador, nossos dados não sejam perdidos. E quando a memória RAM acaba, o sistema operacional usa parte do disco rígido para armazenar alguns dados temporários.
Como funciona um disco rígido? Funciona mais ou menos como uma vitrola. Você coloca o disco de vinil na vitrola, posiciona a agulha e a música começa a tocar. Num disco rígido, funciona quase da mesma maneira, exceto algumas coisas: A velocidade (uma vitrola gira um disco a até 78 rotações por minuto, já um disco rígido tem rotações de até 10.000 vezes por minuto); a agulha (o disco rígido possui discos e agulhas, mas as agulhas são magnéticas e não entram em contato com a superfície do disco rígido) e o método de escrita (um disco rígido lê e grava informações quase simultâneamente.)
Quando ligamos o computador, o disco rígido é ligado. Demora até 10 segundos para que ele atinja uma velocidade adequada. Depois disso, o microprograma procura um sistema operacional na primeira trilha do disco rígido, e a partir daí, o sistema operacional toma conta e inicia os programas, carregando-os na memória RAM. Quando você dá dois cliques num programa, ele é carregado do disco rígido para a memória RAM. Quando você salva um documento do Word e o fecha, os dados passam da memória RAM para o disco rígido. Assim, nada é perdido quando se desliga o computador. Ou seja, os dados passam da memória RAM para as agulhas magnéticas do disco rígido, que se encarregam de fazer a escrita nos discos. Quando você abre um documento salvo, o processo ocorre ao contrário.
E o que são os sistemas de arquivo? São as formas de um sistema operacional organizar e gravar dados nos discos rígidos. Alguns sistemas de arquivos tem vantagens sobre os outros (desempenho, criptografia, etc). Os sistemas de arquivos mais usados são o NTFS (para Windows NT/2000/XP/Vista), FAT32 (para Windows 95/98/ME) e ext4/ext3 (para Linux).
E porque formatar o disco rígido? O disco rígido, depois de um certo tempo de uso, fica com desempenho afetado, pela instalação e desinstalação de programas que deixam para trás vários arquivos e chaves de registro, deixando o computador com um desempenho fraco. Ou ainda, o próprio sistema grava os arquivos em pequenos pedaços (setores) em várias partes, depois ficando lento quando precisar usar o arquivo novamente. Quando ele é formatado, tudo é apagado (inclusive o sistema operacional). Daí o sistema operacional é reinstalado para receber novos dados. Ou seja, todos os arquivos desnecessários são removidos. Alguns programas fazem a limpeza do disco rígido e desfragmentação, evitando a formatação do computador.
E qual é a capacidade dos discos rígidos? Atualmente a capacidade dos discos rígidos é medida por gigabytes (GB) e terabytes (TB) em máquinas mais avançadas. Para saber a capacidade dos seus discos rígidos, basta ir em Meu computador, clicar com o botão direito em Disco local e clicar em Propriedades. Lá serão exibidas as informações referentes ao tamanho e espaço utilizado e livre dos seus discos rígidos.
Os discos rígidos são ligados à placa-mãe por um cabo. Usam-se cabos IDE (mais largos e cinza) e cabos SATA (vermelhos e curtos). Os discos rígidos que usam SATA são melhores e mais velozes.
Posso trocar meu disco rígido? Perfeitamente. Pode manter até quatro discos rígidos funcionando simultâneamente, dependendo da capacidade do computador. Consulte um técnico, e ele lhe indicará o modelo correto para seu computador. Atualmente, o preço de um disco rígido varia de acordo com sua capacidade, mas modelos para computadores domésticos variam de R$ 120 a R$ 300.
Bom, nesse artigo tu aprendeu um pouco sobre os discos rígidos e a sua utilidade. No próximo artigo, você aprenderá um pouco sobre a unidade de CD/DVD e como ela funciona por dentro. E como os CDs e DVDs ainda tem força frente aos pendrives. Se você está usando esses artigos para aprender, volte para ler a parte 3!

Qual é a função desse componente? - Parte 3 - Unidade optica (CD/DVD)


Talvez seja uma coisa simples, mas não pode passar em branco. Veja agora como esse componente que parece tão comum tem um funcionamento mais complexo.
É algo bem comum: Você abre a bandeja de CD ou DVD, coloca o disco, fecha a bandeja e o computador começa a ler as informações. Mas, como as informações passam de um CD ou DVD, que aparentemente são lisos, para seu computador?
O segredo está na fabricação dos CDs e DVDs e na luz que a unidade atinge nele. As mídias são construídas como se fossem "espelhos", a luz (vermelha, infravermelha ou violeta) entra na mídia e volta com os dados. A unidade fica responsável por codificar ("traduzir") os dados e enviar ao computador, que enviará as informações ao usuário. Atualmente, as unidades de leitura e gravação de CDs domésticas conseguem chegar à velocidades de 7,62 MB por segundo ou 10.350 rotações por minuto! Isso se traduz ao usuário em altíssimo desempenho.
As unidades opticas tem diferenças em suas fabricações. Algumas conseguem ler CDs, outras conseguem gravá-los e lê-los. Outros tipos conseguem gravar CDs e ler DVDs, e outras tem total domínio sobre CDs e DVDs.
Como mídias, os discos de CD e DVD tem vatagens e benefícios. Embora o risco de danos à mídia seja bastante alto, ela é bem barata e acessível. E gravadores estão disponíveis a preços bem populares. Além disso, quase todo aparelho de entretenimento usa essa mídia. Mídias de CD custam de R$ 0,50 à R$ 3,00, e DVDs, de R$ 1,00 a R$ 7,00. Uma unidade de leitura de CDs deve custar em média R$ 35 a R$ 50. Já uma unidade de gravação de CDs pode chegar a até R$ 80. E unidades de gravação de DVDs podem chegar à R$ 150.
Um CD permite gravar a até 74 minutos de áudio e 700 MB, já alguns DVDs podem chegar a 9 GB, mas os mais populares chegam a 4,7 GB.
Aproveite todo o desempenho das unidades de CD e DVD. No próximo artigo, mostraremos a utilidade dos devasados disquetes. Veja por que você ainda precisa deles.

Qual é a função desse componente? - Parte 4 - Fonte de alimentação



Como todo aparelho eletrônico necessita de energia para funcionar, o computador também necessita. Mas o mesmo tipo de energia que entra no computador não é a mesma que chega aos componentes. Ela passa antes pela fonte de alimentação, que transforma a energia. Vejamos como isso ocorre.
A fonte de alimentação é uma caixa de metal com alguns componentes de plástico e uma pequena placa controladora. É exatamente onde você insere o cabo de energia que vem da rede elétrica.
Nota-se que ao lado do encaixe existe um ventilador. Ele serve, além de resfriar a fonte, retirar o ar quente de dentro do gabinete que entra pelas laterais e frente do gabinete. Verifique se esse ventilador joga ar para fora. Se ele sugar ar para dentro do gabinete, isso poderá superaquecê-lo e danificar vários componentes.
Acima do conector de energia, existe o seletor de voltagem (comum em vários aparelhos elétricos). Portanto, antes de ligar na tomada, verifique se a voltagem é compatível com a fonte (115 ou 220 volts).
Por dentro, a fonte de alimentação é bastante simples, tendo algumas bobinas, dissipadores, e controladores simples. Mas isso já basta para que o próprio sistema operacional controle completamente a fonte, embora ela seja um componente bem rústico. Uma corrente de 5 volts fica responsável por saber quando deve-se ligar ou desligar o computador (ou seja, quando se pressiona o botão ou clica-se em "Desligar" no computador). Essa voltagem funciona mesmo com o computador desligado.
As fontes atuais transformar 115 ou 220 volts em seis tipos de voltagens:
  • 3,3 volts: Alguns circuitos integrados.
  • 5 volts: Processadores e módulos de memória.
  • - 5 volts: Mouse, teclado e periféricos similares.
  • 12 volts: Unidades de disco (disco rígidos e unidades de CD/DVD)
  • - 12 volts: Barramentos (PCI e ISA)
  • 5 volts VSB: Usada para método de detecção se o botão de liga/desliga foi pressionado ou se o comando de Desligar foi dado pelo sistema operacional.
Existem dois tipos de padrões de fontes: As fontes AT e fontes ATX. Fontes AT só podem ser usadas com placas-mãe AT e gabinetes AT para terem um funcionamento adequado. Essas fontes precisavam de que o usuário apertasse o botão para desligar o computador e tinham um erro grave: Se os conectores fossem montados ao contrário na placa-mãe, ela receberia um curto circuito e queimaria. Por isso se requer atenção redobrada ao trabalhar com essas fontes.
Fontes ATX são fontes usadas em computadores e placas-mãe mais novos. O desligamento é feito a partir do sistema operacional e o conector era montado de modo que não pudesse ser ligado invertido. Ou seja, o risco de curto circuito era muito menor.
Ambas as fontes suportavam a opção de Gerenciamento Avançado de Energia.
 
Quando se compra uma fonte, deve-se avaliar sua potência real. Quanto mais watts, melhor é. Porém, algumas fabricantes estampam uma potência em suas fontes, mas a potência real é bem mais baixa, o que pode danificar componentes. Por isso, antes de comprar uma fonte, fique atento às fabricantes e também aos testes feitos por revistas e sites idôneos.
Dificilmente você achará fontes AT a venda, elas eram usadas em computadores mais antigos. Fontes AT de 500 W podem ser encontradas numa faixa de R$ 120 a R$ 200 em modelos mais básicos, porém modelos excelentes.
Nessa era, sem energia, nada funciona. Vimos muita coisa sobre alguns componentes, mas quem será que os controla? Quem permite que eles funcionem? Acompanhe a próxima parte e você saberá.

Qual é a função desse componente? - Parte 5 - BIOS


Veja como um programa tão pequeno consegue dizer se algo está instalado ou não e definir configurações tão grandes que podem colocar em risco a vida do seu computador.
BIOS - Parece até algo relacionado a Biologia, não é? - Não é isso. Mas a BIOS define grande parte da saúde do seu PC, principalmente as configurações que você define. É ele que define quais são seus discos rígidos, se há ou não unidade de disquete e qual é a velocidade do seu processador. Diga-se, de passagem, que a BIOS é apenas configurada por técnicos. É verdade até certo ponto, já que são configurações que afetam seu sistema.
O nome BIOS é uma sigla - Basic Input/Output System (Sistema Básico de Entrada/Saída). Ele é um programa minúsculo enxertado na placa-mãe, numa memória permanente e é automaticamente executado quando ligamos o computador. Ele é o responsável por definir as configurações de hardware de uma máquina e também por iniciar a carga do sistema operacional.
O BIOS se divide em duas partes, o Setup (onde se fazem as configurações de hardware) e o POST (Power On Self Test, uma bateria de testes feitos nos componentes antes de se iniciar o sistema operacional, para ver se tudo está em ordem antes de se usar o computador). Uma pequena memória, de nome CMOS, guarda todas as configurações feitas sobre os componentes - as configurações feitas no Setup.
Como ele entra em ação:
  1. Liga-se o computador;
  2. O BIOS ativa a memória CMOS para saber a configuração dos dispositivos. Essa configuração é feita pelo usuário. Enquanto isso, procura por dispositivos (teclados, mouses, placas, discos, memória, etc).
  3. O POST (teste de inicialização) começa. Ele testa todos os componentes essenciais para se ligar o computador (disco rígido, memória RAM, drive de disquete e CD/DVD, teclado, mouse, etc). Se alguma coisa falhar, sinais no monitor ou bipes são soados pelo alto-falante da placa-mãe para que você corrija o erro e reinicie o computador. Se isso ocorrer, volta-se ao passo 1. Se nada estiver falhando, passa-se para o próximo passo.
  4. BIOS de outras placas são iniciados (placa de vídeo, por exemplo) para funcionarem por sua conta e risco.
  5. O BIOS é copiada para a memória RAM, para acelerar o processo e evitar erros.
  6. O BIOS começa a procurar discos rígidos e ver se algum deles tem algum sistema operacional instalado. Se houver (o registro de inicialização está gravado no primeiro setor, então fica fácil (MBR)), o BIOS carrega o sistema operacional.
  7. A partir daí, o sistema operacional comanda as ações.
Desde o acionamento do botão liga/desliga e o início do carregamento do sistema operacional, todas essas operações são feitas. Leva-se de 5 a 15 segundos para isso.
A BIOS pode ser configurada para que o computador inicie a partir do disco rígido ou unidade de CD/DVD. Ou ainda de uma unidade removível (pendrive). Se isso for configurado, o passo 6 não procurará por discos rígidos, e sim por unidades de CD/DVD ou pendrives. Se o BIOS não achar sistemas inicializáveis nos pendrives ou CD/DVDs, um erro será mostrado ou o BIOS tentará iniciar de algum disco rígido com sistema operacional instalado.
Como é a memória de um BIOS? Onde se encontra na placa-mãe?
Chip de BIOS de placas-mãe modernas.Ela é um chip de memória volátil, soldada na placa-mãe. Se a sua placa-mãe for mais nova, com certeza será um chip como o mostrado ao lado. Aí estão gravadas as informações da BIOS (CMOS) e que foram alteradas no Setup. Alguns chips de BIOS diferem, mas eles tem indicações na parte superior que deixa fácil sabermos qual é o chip da memória do BIOS.
BIOS e Bateria.Toda memória volátil (assim como a memória RAM) perde informações quando está sem energia. Mas a BIOS não pode perder informações toda vez que se desliga o computador. Por isso que o chip da memória do BIOS funciona em conjunto com uma bateria (veja ao lado). Ela fica em funcionamento 24 horas por dia, 7 dias por semana. Quando ligamos o computador, ela é recarregada. Por isso que quando você liga o computador, a hora do sistema está sempre certa: pois é uma das coisas que ficam gravadam no CMOS do BIOS.

E como configurar a BIOS?
Geralmente, quando você liga o computador, você vê umas mensagens. Junto delas, você verá uma mensagem escrita Press DEL to enter SETUP. Ou seja, nesse ponto, aperte a tecla Del ou Delete do seu teclado. Na maioria dos computadores você verá essa mensagem. Em alguns, você deve apertar F8 ou F1. Fique atento.
Tela inicial de BIOS. Veja a mensagem em vermelho.
A tela inicial pode variar de computador para computador.
Tela inicial do Setup de BIOS AMI.
Embora ensinemos como entrar na BIOS, não recomendamos que você a configure. Essa configuração só pode ser feita por usuários avançados e técnicos.
Bom, um pequeno programa embutido na placa-mãe mantém seu computador com saúde. Mas ainda não falamos do chefe, do cabeça das operações. Continue acompanhando os próximos artigos para saber quem é esse.

Qual é a função desse componente? - Parte 6 - Processador


Nessa parte da série de Artigos "Qual a Função Desse Componente" falaremos sobre a parte do computador que controla todos os chips e toma as decisões - o cérebro do computador, chamado de processador.
O processador é basicamente o "cérebro" do computador - ele foi projetado para realizar as operações de cálculo e toma as decisões dentro do computador. Ele pode ser chamado de CPU (Central Processing Unit - Unidade Central de Processamento). Muitos erroneamente chamam o gabinete do computador de CPU. O gabinete é onde ficam alojadas as unidades de disco, placa-mãe, memórias e demais componentes. CPU é o segundo nome de processador. Portanto, evite convusões. Dificilmente você verá usuários avançados e técnicos referindo-se a gabinete como CPU.





Todos nós sabemos (ou vamos aprender agora) que o computador trabalha apenas com números - 0 e 1 - e que eles precisam ser calculados para passarem para outros dispositivos. Essa tarefa cabe ao processador. O processador se encarrega de transportar dados de unidades de disco para a memória e trabalhar com eles dentro da memória. Além disso, controla todos os outros circuitos integrados.
A velocidade de um processador (ou seja, quantos cálculos ele pode fazer por segundo) é medida em Hz. Quanto maior esse valor, mais cálculos um CPU pode realizar, e mais rápido ele é. Atualmente, a maioria dos processadores trabalham com velocidades acima de 1 GHz, ou seja, dois bilhões de cálculos por segundo.
E o que são os processadores dual-core? São processadores de duplo núcleo. Ou seja, eles realizam duas operações ao mesmo tempo, sem aumentar a velocidade ou freqüência, aumentando em muito o desempenho. Atualmente nem todos os programas e sistemas operacionais estão preparados para esses processadores, mais no futuro eles estarão prontos para explorar todo o potencial dos processadores de múltiplos núcleos.


E onde está localizado o processador? Está dentro do gabinete, numa placa especial, chamada soquete de CPU. Se você possui um Pentium III ou Athlon da mesma época, seu processador estará montado em slot, como um cartucho de videogame. O processador é montado da sequinte forma: Insere-se o processador no soquete, fechando-se as travas de segurança. Em seguida, é inserido um dissipador e um pequeno ventilador (conhecido como cooler), alimentado em 12v com a energia da placa-mãe. Montado, ele fica mais ou menos assim:
E o que é Intel e AMD?
São as duas maiores empresas de construção de processadores. As duas tem diferenciais em processadores, onde a maioria dos chips AMD tem mais poder de força bruta (ou seja, são mais resistentes ao overcloking). Já os chips Intel são melhores nas instruções feitas para eles. Os chips Intel são mais populares, mas os AMD geralmente são mais baratos.
Um processador, como sendo componente principal, tem um preço mais elevado. Processadores atuais, como um Atlhon X2 ou Core 2 Duo estão na faixa de preço de R$ 250 a R$ 700.
Viu como funciona esse cérebro? Na próxima parte, veremos mais um tipo de memória para computador - uma memória "porreta" . Aguarde.

Qual é a função desse componente? - Parte 7 - Memória Cache


Muitos nem sabem para que serve, mas ela tem ainda mais uma função - aumentar o desempenho do seu computador. Vejamos como ela funciona.
Memória Cache é uma memória de acesso rápido. Ela é uma memória intermediária entre a memória RAM e o processador. Com essa memória, o processador não precisa ficar acessando muito a memória RAM - o que pode ser lento - e os dados são armazenados nessa pequena memória. Os discos rígidos também possuem uma pequena memória cache para acelerar a transmissão de dados. Ou seja, a memória cache é uma memória de altíssima velocidade e temporária onde os dados freqüêntemente acessados são guardados para um acesso rápido. Pra você ter uma idéia: Se desabilitarmos as memórias cache de um sistema, ele pode ter um desempenho de até 80% inferior ao normal! (Isso pode chegar a 95% em casos particulares).
Foi-se percebida a necessidade de se instalar a memória cache quando viu-se que os componentes (disco rígido e memória) não conseguiam alcançar a velocidade do processador. A memória cache é tão rápida que consegue alcançar a velocidade do processador.
Geralmente, seu computador terá duas memórias cache: A Cache L1 e a Cache L2. A L1 está inserida dentro do processador. Como essa é uma memória menor e não conseguiram colocar mais memória nela, inventaram a L2. Esta tem um tamanho bem maior de memória e quebra o galho do processador caso ele seja antigo. Ou seja, quanto mais memória, mais estável e rápido poderá se tornar um sistema. A L2 geralmente está instalada na placa-mãe e pode chegar até 12 MB. Algumas placas possuem um terceiro cache (L3), mas é raro.
O tempo de acesso, o custo e o tamanho da memória definem os melhores chips de memória cache.
Quando você compra um processador, ele vem com as informações de Cache. Fique atento principalmente se for um processador mais antigo, pois elas definirão o desempenho final.
Módulo de memória Cache COAST - não disponível para computadores mais novos.Antigamente, a memória cache era expansível através de um módulo COAST (Cache On A STick). A maioria das placas-mãe de 386 e similares tinha um slot para expansão de cache. Atualmente, as placas-mãe não permitem esse processo.
Não é viável comprar um chip de memória cache, já que eles podem custar até mais de R$ 5.000,00. E os computadores mais novos não tem suporte à adição de memória cache. Portanto fique atento ao comprar um computador novo.
Uma pequena quantidade de memória pode fazer a diferença, não? Na próxima parte, veja onde todos esses dispositivos são conectados.

Qual é a função desse componente? - Parte 8 - Placa-mãe


Um dispositivo essencial para o funcionamento de todo computador, merece todo o nosso carinho. Aprenda no artigo abaixo como ela funciona.
Placa-mãe (motherboard em inglês), é uma placa de circuitos impressos, que serve como base para a instalação dos demais componentes de um computador (CPU, memórias, chipsets, slots e barramentos e o chipset).
Exemplo de placa-mãe ATX.
Existem dois tipos de placa-mãe principal: AT e ATX. O padrão AT já foi abandonado do mercado há vários anos por ter muitas desvantagens.
O site da Wikipedia tem uma definição interessante sobre as placas-mãe AT, já obsoletas no mercado:
AT é a sigla para (Advanced Technology). Trata-se de um tipo de placa-mãe já antiga. Seu uso foi constante de 1983 até 1996. Um dos factores que contribuíram para que o padrão AT deixasse de ser usado (e o ATX fosse criado), é o espaço interno reduzido, que com a instalação dos vários cabos do computador (flat cable, alimentação), dificultavam a circulação de ar, acarretando, em alguns casos danos permanentes à máquina devido ao super aquecimento. Isso exigia grande habilidade do técnico montador para aproveitar o espaço disponível da melhor maneira. Além disso, o conector de alimentação da fonte AT, que é ligado à placa-mãe, é composto por dois plugs semelhantes (cada um com seis pinos), que devem ser encaixados lado a lado, sendo que os fios de cor preta de cada um devem ficar localizados no meio. Caso esses conectores sejam invertidos e a fonte de alimentação seja ligada, a placa-mãe será fatalmente queimada. Com o padrão AT, é necessário desligar o computador pelo sistema operacional, aguardar um aviso de que o computador já pode ser desligado e clicar no botão "Power" presente na parte frontal do gabinete. Somente assim o equipamento é desligado. Isso se deve a uma limitação das fontes AT, que não foram projetadas para fazer uso do recurso de desligamento automático. Os modelos AT geralmente são encontrados com slots ISA, EISA, VESA nos primeiro modelos e, ISA e PCI nos mais novos AT (chamando de baby AT quando a placa-mãe apresenta um tamanho mais reduzido que os dos primeiros modelos AT). Somente um conector "soldado" na própria placa-mãe, que no caso, é o do teclado que segue o padrão DIN e o mouse utiliza a conexão serial. Posição dos slots de memória RAM e socket de CPU sempre em uma mesma região na placa-mãe, mesmo quando placas de fabricantes diferentes. Nas placas AT são comuns os slots de memória SIMM ou SDRAM, podendo vir com mais de um dos padrões na mesma placa-mãe.

(Conectores de teclado e energia da fonte de placas-mãe AT)
O padrão ATX (Advanced Technology Extended) possui as seguintes modificações frente ao AT:
  • Maior espaço interno e melhor ventilação.
  • Conectores de teclado e mouse no padrão PS/2.
  • Conectores seriais, paralelos e onboard ligados à placa-mãe, sem cabos.
  • Melhor posicionamento do CPU para posibilitar a instalação de placas.
  • Conector de alimentação das placas-mãe da fonte melhorado, agora ele não permite a instalação incorreta.
  • Uso de mais tipos de memória (DDR, DDR2, DDR3, Rambus, etc.)
  • Slots novos (PCI, PCI-E, AGP e outros)
  • Padrões de unidades de disco novos (IDE, SATA, SCSI)
  • Suporte ao desligamento automático (o computador desliga-se sozinho quando damos o comando de desligamento pelo sistema operacional).
  • Possibilidade de ativação do computador com sinais elétricos (por exemplo, o computador é ligado quando recebe dados pela placa de modem/fax.


(Conector de teclado (roxo), mouse (verde) e energia (branco) de placas-mãe ATX)
Além do ATX e AT, existem outros padrões, todos padrões particulares e proprietários.
Como funciona uma placa-mãe? Ela faz a conexão e interconexão entre os vários componentes do computador. Ou seja, processador, memórias, placas, discos rígidos e unidades de CDs e DVDs, teclado, mouse e outros estão ligados diretamente a placa-mãe. Ela possui diversos componentes eletrônicos (circuitos integrados, capacitores, resistores, etc) e entradas especiais (slots) para que seja possível conectar os vários dispositivos.
A arquiterura de uma placa-mãe pode ser definida como no esquema abaixo:
Esquema de funcionamento de uma placa-mãe.
Os controladores da placa-mãe podem ser onboard ou offboard. Os controladores on-board são integrados aos circuitos da placa-mãe, de modo a reduzir o custo. Porém, como vários dispositivos são integrados (modem, vídeo e aúdio, entre outros) eles usam recursos do sistema, reduzindo o desempenho. Além disso, se algum deles apresentar defeito, só poderá ser substrituído por uma nova placa-mãe ou, ás vezes, por outro dispositivo offboard.
Os off-board são os componentes ou circuitos que funcionam independentemente da placa mãe e por isso, são separados, tendo sua própria forma de trabalhar e não usando o processador, geralmente, quando vídeo, som, modem ou rede, o dipositivo é "ligado" a placa-mãe usando os slots de expansão para isso, têm um preço mais elevado que os dispositivos on-board, sendo quase que totalmente o contrário em todos os aspectos do tipo on-board, ou seja, praticamente todo o processamento é realizado pelo próprio chipset encontrado na placa do dispositivo.
O funcionamento de placas-mãe é bastante complexo e elas são projetadas e construídas minuciosamente. Atualmente, há várias fabricantes de placas-mãe, como VIA, ASUS e outras.
Uma placa-mãe moderna hoje está em torno de R$ 200 a R$ 1000.
Vimos em alguns detalhes básicos como funciona uma placa-mãe. O próximo artigo nos falará um pouco sobre as portas (USB, PS/2, Áudio, Vídeo, Serial, Paralela, IrDA e outras). Fique atento.

Qual é a função desse componente? – Parte 9 – Conectores de entrada e saída


Você os usa diretamente, mas sabe como eles funcionam? A equipe Segredos da Informática vai te explicar tudo componente por componente.
Seu computador tem muitas portas de entrada e saida. Agora, veremos uma breve descrição de cada uma delas.
Universal Serial Bus (USB)
type_a_usb_connectorUm tipo de conexão plug-and-play bastante versátil. Antigamente, você precisava desligar o seu computador, inserir um dispositivo e depois iniciar o computador. Com o USB isso deixou de existir. Você pode conectar seus componentes mesmo com o computador ligado. Usuários leigos podem usar dispositivos USB sem problemas e com uma incrível facilidade, sem ficar configurando nada nem adicionando placas. É possível ligar até 127 dispositivos numa mesma porta USB. Atualmente, portas USB podem chegar a 480 megabytes por segundo (USB 2.0). Vários dispositivos podem ser ligados a portas USB, como teclados, mouses, webcams e câmeras fotográficas, pendrives e unidades de DVD, joysticks, PDAs, impressoras, modems, Mp3 players, dentre outros. Exitem também muitos dispositivos interessantes para se ligar numa USB, como ventiladores, barbeadores e luminárias. Praticamente qualquer sistema operacional atual tem suporte a USB. É uma porta de entrada e saída.
Portas PS/2 (Personal System 2)
Ps-2-portsEssas portas foram implantadas em 1987 num computador chamado Personal System 2, e adaptadas também em PCs atuais. São usados para conectar mouse e teclado. Quase todos os PCs atuais usam esses conectores. São portas de entrada de dados.
Porta Ethernet
LaptopEthernetEssa porta é usada, em conjunto com uma placa de rede ou circuitos de rede integrados na placa-mãe, para interconectar computadores a uma rede local por meio de cabos UTP (aquele cabo azul). Ou seja, é uma porta de altíssima velocidade para transmitir dados entre computadores locais ou à Internet. A maior parte das portas Ethernet atuais são padrões RJ-45. As velocidades atuais das placas de Ethernet são de 100 Mbits e 1 Gbits. É uma porta de entrada e saída de dados.
Portas seriais e paralelas800px-Serial_port
As portas seriais foram amplamente usadas em microcomputadores antigos, para fax/modem, mouse e conexão de dois PCs para transmissão de dados e arquivos, além de algumas impressoras e scanners. É uma porta de 9 pinos. É um padrão bastante lento.
macho_numeracao_pinos_porta_paralelaAs portas paralelas tem quase a mesma funcionalidade das seriais, mas eram muito mais rápidas. A maior utilização das portas paralelas era conectar impressoras, mas poderia se usar também unidades de disco, scanners e câmeras. Também era possível transmitir arquivos. Utilizava 25 pinos.
Ambos são padrões obsoletos, mas ainda existentes e eram portas de entrada e saída de dados.
Conector VGAVGA_port
É o conector de vídeo. Funciona chipado à uma placa de vídeo ou aos circuitos de vídeo integrados. É nele que você insere seu monitor. Existe desde 1987 e foi criado pela IBM. Funciona apenas para enviar vídeo para os monitores. É uma porta de saída de dados.
Conectores de áudio
São amplamente usados para enviar sons para alto-falantes externos ou amplificadores. Funcionam integrados à placa de som ou aos circuitos internos de som da placa-mãe. Além de enviar sons, podem ser portas de entrada de sons vindos de dispositivos externos e vocais. É uma porta de entrada e saída.




Porta IrDA e Bluetooth
IrdaIrDA é um padrão de transmissão de dados e arquivos sem fio (wireless). Tem quase o mesmo funcionamento de um controle remoto. O IrDA trabalha com radiação infravermelha, e por essa radiação é possível transmitir dados em uma rede. Para que funcione bem, ambos os dispositivos devem possuir IrDA e estarem sendo reconhecidos um pelo outro, devidamente configurados. As portas IrDA atuais podem chegar a 4 Mbps. Qualquer dispositivo IrDA pode ser ligado a um computador com IrDA.usb_bluetooth_100m_antenna
O Bluetooth é outro padrão semelhante, sem fios, com alguns diferenciais: A radiação é da faixa azul e as conexões podem chegar a 24 Mbits. Além disso, a configuração de dispositivos Bluetooth é muito mais fácil. Qualquer dispositivo Bluetooth pode ser interligado com um computador com Bluetooth.
A maioria dos sistemas operacionais atuais suporta os dois padrões, e eles são medianamente utilizados. Ambas são portas de entrada e saida de dados.
Outras portas de comunicação pouco usadas, mas avançadas: Áudio digital, MIDI, Wi-Fi,Firewire.
Depois de ter visto a maior parte das portas de comunicação existentes, que tal analisar sobre às conexões de placas?

Nenhum comentário: